• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.17.2007.tde-30032007-154911
Documento
Autor
Nome completo
Cristiane Minot Gutierrez
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2006
Orientador
Banca examinadora
Peres, Luiz Cesar (Presidente)
Castro, Eumênia Costa da Cunha
Damasceno, Débora Cristina
Ferraz, Victor Evangelista de Faria
Pina Neto, João Monteiro de
Título em português
Etanol, deficiência de ácido fólico e associação desses dois fatores durante a gestação de camundongos swiss
Palavras-chave em português
anormalidades congênitas
camundongos
deficiência de ácido fólico
etanol
gravidez animal
Resumo em português
Embora os efeitos teratogênicos do etanol sejam bem conhecidos, ele ainda é um agente exógeno muito usado por mulheres em idade reprodutiva e sabe-se que ele interfere com o transporte, absorção e metabolismo do ácido fólico. O objetivo deste trabalho foi determinar os efeitos da administração de etanol, da deficiência do ácido fólico na dieta e da associação desses dois fatores durante a gestação de camundongos Swiss. O estudo foi feito com dois experimentos, no primeiro examinou-se a influência do etanol diluído em salina a 25% (v/v) em doses baixa (0,4g/Kg de peso corporal) e alta (4,0g/Kg de peso corporal) em animais alimentados com ração comercial e no segundo a influência do etanol nas mesmas doses em animais alimentados com dieta deficiente em folato. Em ambos os experimentos os animais foram divididos em 6 grupos com 6 animais cada: C= controle; Eb= etanol baixa dose; Ea= etanol alta dose (Experimento 1) e DF= controle da deficiência de folato; DFEb= deficiência de folato + etanol baixa dose; DFEa= deficiência de folato + etanol alta dose (Experimento 2). Os animais dos Grupos C e DF receberam apenas salina. Etanol e salina foram administrados por via intraperitoneal, em três dias consecutivos da gestação: 7°, 8° e 9°. A eutanásia foi realizada em câmara de CO2 no 18º dia gestacional e os cornos uterinos foram retirados por cesárea para observação e contagem dos fetos vivos, mortes fetais tardias e reabsorções. Anomalias congênitas foram encontradas apenas no Grupo Ea, representadas por defeito de fechamento do tubo neural isolado (6,45%), agenesia de membros e cauda (6,45%), defeito de fechamento do tubo neural associado a defeito da face média (2,15%) e gastrosquise (1,08%). Foi observada entre os grupos variação no número de fetos vivos (C= 98,97%; Eb= 97,98%; Ea= 87,74%; DF= 90,91%; DFEb = 72,22%; DFEa= 61,39%), de reabsorções (C= 1,03%; Eb= 2,02%; Ea= 1,89%; DF= 8,08%; DFEb= 14,44%; DFEa= 18,81%) e de mortes fetais tardais (C= 0; Eb= 0; Ea= 10,38%; DF= 1,01%; DFEb= 13,33%; DFEa= 19,80%). Houve variação no comprimento vértice-sacral fetal (machos/fêmeas: C= 2,6/2,5cm; Eb= 2,5/2,5cm; Ea= 2,4/2,3cm; DF=2,4/2,3cm; DFEb= 2,0/2,0cm; DFEa= 1,9/1,8cm), no peso corpóreo fetal (machos/fêmeas: C= 1,50/1,40g; Eb= 1,49/1,40g; Ea= 1,31/1,19g; DF= 1,28/1,17g; DFEb= 0,81/0,82g; DFEa= 0,83/0,73g), no diâmetro placentário (machos/fêmeas: C=0,8/0,8cm; Eb= 0,8/0,7cm; Ea= 0,8/0,7cm; DF= 0,8/0,8cm; DFEb= 0,8/0,8cm; DFEa= 0,7/0,7cm) e no peso placentário (machos/fêmeas: C= 0,14/0,12g; Eb= 0,14/0,11g; Ea= 0,12/0,10g; DF= 0,13/0,11g; DFEb= 0,09/0,09g; DFEa= 0,09/0,09g). Os resultados indicam que alta dose de etanol durante o consumo de ração comercial é mais deletério que baixa dose, pois além de provocar anomalias congênitas, causou restrição do crescimento intra-uterino e placentário e produziu mortes fetais tardias. A deficiência de ácido fólico, por si só, também é deletéria, interferiu com o desenvolvimento fetal e placentário e produziu reabsorções. A associação da deficiência de folato e etanol agravou ainda mais esse desenvolvimento e produziu um maior número de reabsorções e mortes fetais tardias. Além disso, na deficiência de folato, baixa dose de etanol foi tão deletéria quanto alta dose, indicando que a nutrição materna tem um papel fundamental no desenvolvimento fetal. Dessa forma, a ação sinérgica de dois fatores isolados, etanol e deficiência de ácido fólico, permite reforçar a noção do risco humano em condições semelhantes, já que mulheres jovens tendem a apresentar mais deficiência de ácido fólico e estão mais expostas a comportamentos que levam ao consumo de etanol.
Título em inglês
Etanol, Deficiency of Acid Fólico and Association Of these Two Factors During the Gestation of Swiss Mice
Palavras-chave em inglês
congenital abnormalities
ethanol
folic acid deficiency
mice
pregnancy
Resumo em inglês
In spite of the well known teratogenic effect of ethanol, it is still the most consumed exogenous abuse substance by women of reproductive age. Ethanol also impairs the absorption, transport and metabolism of folic acid. The aim of this study was to investigate the effects of ethanol, dietary deficiency of folic acid and the association of both on the outcome of Swiss mouse pregnancy. We aimed to analyze the result of low (0.4g/Kg) and high (4g/Kg) of ethanol dose diluted in saline 25% (v/v) given to animals fed a commercial diet (Experiment I) or its effect on mice fed a folate-free diet (Experiment II). The pregnant mice were divided in 6 groups of 6 animals each: (Experiment I) C=Control; low dose ethanol (Eb); high dose ethanol (Ea); (Experiment II) DF= Control of Folate deficiency; DFEb= Folate deficiency plus low dose ethanol, and DFa= Folate deficiency plus high dose ethanol. On the 7th, 8th and 9th gestational day (GD) either saline (Groups C and DF) or ethanol (other groups) were administered by intraperitoneal injection and the sacrifice was on the 18th GD on a CO2 chamber after which the uterine horns were harvested by cesarean section for examination and counting of live fetuses, late fetal death and resorptions. Congenital anomalies were found only in Group Ea, represented by isolated Neural Tube Defect (NTD) (6.45%), limb and tail agenesis (6,45%), NTD plus middle face anomaly (2,15%) and gastroschisis (1,08%). The number of live fetuses (C= 98,97%; Eb= 97,98%; Ea= 87,74%; DF= 90,91%; DFEb = 72,22%; DFEa= 61,39%), resorptions (C= 1,03%; Eb= 2,02%; Ea= 1,89%; DF= 8,08%; DFEb= 14,44%; DFEa= 18,81%) and late fetal death (C= 0; Eb= 0; Ea= 10,38%; DF= 1,01%; DFEb= 13,33%; DFEa= 19,80%) differed among groups. It was also noted a gender related variation in crown-rump length (male/female: C= 2,6/2,5cm; Eb= 2,5/2,5cm; Ea= 2,4/2,3cm; DF=2,4/2,3cm; DFEb= 2,0/2,0cm; DFEa= 1,9/1,8cm), body weight (male/female:C= 1,50/1,40g; Eb= 1,49/1,40g; Ea= 1,31/1,19g; DF= 1,28/1,17g; DFEb= 0,81/0,82g; DFEa= 0,83/0,73g), placental diameter (male/female: C=0,8/0,8cm; Eb= 0,8/0,7cm; Ea= 0,8/0,7cm; DF= 0,8/0,8cm; DFEb= 0,8/0,8cm; DFEa= 0,7/0,7cm) and placental weight (male/female: C= 0,14/0,12g; Eb= 0,14/0,11g; Ea= 0,12/0,10g; DF= 0,13/0,11g; DFEb= 0,09/0,09g; DFEa= 0,09/0,09g). Our results indicate that high ethanol dose given to pregnant mice fed on a commercial diet is more deleterious than low dose because it induced congenital anomalies and intrauterine growth restriction, decreased placental weight and diameter and increased fetal death. Isolated folic acid deficiency is harmful to gestation, decreasing fetal and placental development and inducing resorptions. The association of ethanol and folic acid deficiency increased the developmental impairment and induced more resorption and late fetal death. In folate deficient mice, low dose of ethanol was as detrimental as high dose indicating that maternal nutritional status plays a major role in fetal development. In conclusion, the synergistic action of two factors, ethanol and folate deficiency, may help to understand the human risk in similar situation, as young women are prone to this vitamin deficiency and are more exposed to a behavior that stimulate alcohol intake.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Minot.pdf (7.92 Mbytes)
Data de Publicação
2008-02-01
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.