• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.17.2004.tde-21122006-134949
Documento
Autor
Nome completo
Andréa Frizo de Carvalho Barbosa
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2004
Orientador
Banca examinadora
Funayama, Carolina Araujo Rodrigues (Presidente)
Bettiol, Heloisa
Petean, Eucia Beatriz Lopes
Título em português
Aplicação das escalas Bayley de desenvolvimento infantil II para avaliação do comportamento em crianças com carência nutricional
Palavras-chave em português
Escalas Bayley de desenvolvimento infantil II Avaliação do comportamento em crianças carências nutr
Resumo em português
Carências nutricionais são ocorrências comuns em grande proporção de crianças do mundo e reconhecidamente um dos grandes problemas da saúde pública brasileira. Alguns estudos têm relatado que os escores mental e motor de crianças com carências nutricionais são mais baixos do que aqueles obtidos pelas crianças sem carências. As Escalas Bayley, publicadas pela primeira vez em 1969 e revisadas em 1993, constituem-se em instrumento adequado para a avaliação de crianças de um a quarenta e dois meses de idade, e são amplamente utilizadas em estudos que avaliam efeitos de carências nutricionais. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi verificar a aplicabilidade da Escala de Avaliação do Comportamento Infantil (BRS), uma das três escalas que constituem as Escalas Bayley, na avaliação de crianças de creche com carência nutricional. A amostra foi constituída por 50 crianças de ambos os sexos, com idades que variaram entre 7 e 41 meses, provenientes de duas creches filantrópicas do município de Ribeirão Preto – SP. Um grupo de 23 crianças com deficiência proteico-calórica ou de ferro, consideradas de leve a moderada, segundo o Z-score < +1, proposto pela OMS e níveis de hemoglobina acima de 8 mg/dL, foi comparado a outro de 27 crianças sem estas deficiências. Através da avaliação do comportamento foram obtidos índices referentes ao comportamento geral, o controle emocional, a atenção/exitabilidade, a orientação/engajamento e a qualidade motora das crianças. Tais índices são apresentados em forma de percentil, sendo possível, segundo Bayley (1993), a classificação em: comportamento dentro dos limites normais (índice ? percentil 26), ou seja, esperado para sua idade; comportamento questionável (índice entre o percentil 11 e o 25), que sugere possível prejuízo e merece maior investigação; e comportamento não-ótimo (índice ? percentil 10), que evidencia atraso ou prejuízo em uma ou mais áreas importantes. Os resultados obtidos revelaram que o grupo controle era de maior faixa etária (30 meses) que o grupo carente nutricional (23 meses), e que as crianças do grupo controle apresentavam um comportamento geral frente a situação de teste melhor que do que as crianças do grupo carente nutricional (p=0.03), principalmente no fator Orientação/Engajamento (p=0.01): Afeto positivo (p=0.03), Energia (p=0.005), Entusiasmo acerca das tarefas (p=0.04), Engajamento social (p=0.03); e nos itens Afeto negativo (p=0.04) e Movimento lento e atrasado (p=0.005). Estes resultados são consistentes com aqueles já apresentados na literatura, nos quais as crianças com carências nutricionais são descritas como menos ativas, mais inibidas e tímidas, menos responsivas, atentas, vocalizando e movimentando-se menos. Concluiu-se que os itens relacionados à avaliação comportamental, aplicados e cotados como proposto originalmente, foram sensíveis para diferenciar grupos com e sem alterações nutricionais leves ou moderadas, embora as Escalas Bayley do Desenvolvimento Infantil requeiram ainda adaptação às condições sociais e culturais brasileiras. Tais resultados sugerem ainda que esta escala pode ser útil em outras condições clínicas, assim como para a avaliação do desempenho de grupos pós procedimentos de recuperação nutricional.
Título em inglês
APPLICATION OF THE BAYLEY SCALES OF INFANTILE DEVELOPMENT FOR THE EVALUATION OF BEHAVIOR IN CHILDREN WITH NUTRITIONAL DEFICIENCIES
Palavras-chave em inglês
BAYLEY SCALES OF INFANTILE DEVELOPMENT
EVALUATION OF BEHAVIOR IN CHILDREN
NUTRITIONAL DEFICIENCIES
Resumo em inglês
Nutritional deficiencies are common occurrences among a large proportion of children all over the world and are recognized to be one of the great public health problems in Brazil. Some studies have reported that the mental and motor scores of children with nutritional deficiencies are lower than those of children with no deficiencies. The Bayley Scales, first published in 1969 and revised in 1993, are an appropriate instrument for the evaluation of children aged one to forty months and are widely used in studies that evaluate the effects of nutritional deficiencies. Thus, the objective of the present study was to determine the applicability of the Behavioral Rating Scale (BRS), one of the three scales forming the Bayley Scales, for the evaluation of day-care center children with nutritional deficiencies. The sample consisted of 50 children of both sexes aged 7 to 41 months, from two philanthropic day-care centers in the municipality of Ribeirão Preto – SP. A group of 23 children with protein-calorie or iron deficiency considered to be mild to moderate according to a Z-score < +1 proposed by the WHO and with hemoglobin levels above 8 mg/dL, was compared to a group of children without these deficiencies. Indices referring to general behavior, emotional control, attention/excitability, orientation/engagement, and motor quality of the children were obtained by behavioral evaluation. These indices are presented in percentile form and, according to Bayley (1993), it is possible to classify them as behavior within normal limits (index ? 26th percentile), i.e., expected for age, questionable behavior (index between the 11th and 25th percentile), suggesting possible impairment and requiring more investigation, and non-optimal behavior (index ? 10th percentile), which demonstrates delay or impairment in one or more important areas. The results obtained revealed that the control group was in an older age range (30 months) than the group with nutritional deficiency (23 months), and that the children in the control group presented a better general behavior in the test situation than the children in the group with nutritional deficiency (p=0.03), especially regarding the Orientation/Engagement factor (p=0.01): Positive affect (p=0.03), Energy (p=0.005), Enthusiasm about tasks (p=0.04), Social engagement (p=0.03); and in the items Negative affect (p=0.04) and Slow and delayed movement (p=0.005). These results are consistent with those reported in literature studies in which children with nutritional deficiencies are described as less active, more inhibited and shy, less responsive and attentive, and vocalizing and moving less. We conclude that the items related to behavioral evaluation, applied and scored as originally proposed, were sensitive in differentiating between groups with and without mild or moderate nutritional alterations, although the Bayley Scales for Childhood Development still require adaptation to the Brazilian social and cultural conditions. These results also suggest that this scale can be useful for other clinical conditions and for the evaluation of performance of groups submitted to procedures or nutritional recovery.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
teseandreabiblioteca.pdf (199.95 Kbytes)
Data de Publicação
2007-01-11
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.