• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.17.2018.tde-23072018-145624
Documento
Autor
Nome completo
Luciana Duarte Martins
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2017
Orientador
Banca examinadora
Nonino, Carla Barbosa (Presidente)
Costa, Telma Maria Braga
Costa, Ursula Thomé
Hamad, Ana Paula Andrade
Terra, Vera Cristina
Título em português
Efeito da administração de ácidos graxos ômega-3 em crianças e adolescentes com epilepsia refratária
Palavras-chave em português
Ácido graxo ômega 3
Adolescentes
Crianças
Epilepsia refratária
Suplementação
Resumo em português
A epilepsia é uma condição neurológica crônica caracterizada por interrupções recorrentes e imprevisíveis do funcionamento normal do cérebro, denominadas crises epiléticas. Está entre as doenças neurológicas mais comuns em crianças, sendo que pelo menos 50% dos casos começam na infância ou adolescência. Cerca de 25-30% dos casos pediátricos são refratários a uma combinação de 3 ou mais anticonvulsivantes. Estudos têm mostrado que a suplementação dietética com ácidos graxos da família ômega 3 pode reduzir a frequência de crises em pacientes com epilepsia. Objetivos: Avaliar a eficácia da suplementação com ácidos graxos da família ômega-3 como terapia adjunta no controle de crises em crianças e adolescentes com epilepsia refratária; avaliar o estado nutricional, perfil bioquímico e plasmático dos ácidos graxos desses pacientes durante o tratamento por 12 meses. Métodos: Foram selecionadas 30 crianças e adolescentes com epilepsia refratária, que após a suplementação com ômega 3 (3g/dia) por 12 meses foram distribuídas em dois grupos: Grupo C: 8 indivíduos com crises controladas e; Grupo NC: 22 pacientes que não tiveram crises controladas. Foram avaliados estado nutricional, perfil antropométrico, bioquímico e concentração de ácidos graxos plasmáticos nos períodos pré-, 3, 6, 9 e 12 meses de suplementação. As análises estatísticas foram executadas no programa SPSS (Statistical Package for the Social Sciences®) versão 22.0 e compreenderam os testes de Shapiro-Wilk, ANOVA, Wilcoxon e modelos de regressão. Admitiu-se nível de significância para p<0,05. Resultados: O sexo masculino prevaleceu na casuística (56,7%) e a média de idade de início das crises foi de 140,6±55,4 meses para o grupo C e 145,1±40,5 meses para o grupo NC. A análise entre os grupos não mostrou diferenças entre os tipos de epilepsia, etiologia da doença, tipo de medicação utilizada, perfil bioquímico (incluindo níveis plasmáticos de ômega-3) e antropométrico (p>0,05). Contudo, a análise de regressão mostrou a contribuição do tempo de suplementação no aumento das concentrações séricas de ômega-3 (p=0,042) e no controle do número de crises (p=0,029). Conclusão: A suplementação com os ácidos graxos da família ômega-3, ácido eicosapentanóico (EPA) e ácido docosahexaenoico (DHA), reduz o número de crises após 12 meses de tratamento e promove aumento de suas concentrações plasmáticas. A suplementação utilizada não altera o estado nutricional e o perfil bioquímico. Este estudo documenta a eficácia da suplementação com EPA e DHA como terapia adjunta para o controle de epilepsias refratárias.
Título em inglês
Effect of omega-3 fatty acid administration in children and adolescents with refractory epilepsy
Palavras-chave em inglês
Children
Ômega-3 fatty acid
Refractory epilepsy
Supplementation
Teenagers
Resumo em inglês
Epilepsy is a chronic neurological condition characterized by recurrent and unpredictable disruptions of normal brain functioning, termed epileptic seizures. It is among the most common neurological diseases in children, with at least 50% of cases beginning in childhood or adolescence. About 25-30% of pediatric cases are refractory to a combination of 3 or more anticonvulsants. Studies have shown that dietary supplementation with omega 3 acid is able to reduce the frequency of seizures in patients with epilepsy; however doses and frequency are not established. Objectives: This study aimed to evaluate the efficacy of omega-3 fatty acid supplementation as an adjunct therapy in the control of seizures in children and adolescents with refractory epilepsy, and to evaluate the nutritional status, biochemical and plasma profile of these fatty acids during treatment with omega-3 fatty acid for 12 months. Methods: We selected 30 children and adolescents with refractory epilepsy. After supplementation of omega 3 (3g/day) for 12 months, the patients were divided into two groups: Group C: eight patients with controlled seizures and Group NC: 22 patients who did not have controlled crises. Nutritional status, anthropometric and biochemical profile and plasma fatty acids were evaluated at before and after 3, 6, 9 and 12 months of supplementation. The statistical analyzes were performed in the SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) version 22.0 and included the tests of Shapiro-Wilk, ANOVA, Wilcoxon and regression models. Significance level was set at p <0.05. Results: Males prevailed in the sample (56.7%) and mean age at onset of attacks was 140.6±55.4 months for group C and 145.1±40.5 months for group NC. The analysis between the groups did not show differences among the types of epilepsy, disease etiology, type of medication used, biochemical profile (including omega 3 plasma levels) and anthropometric profile (p >0.05). However, regression analysis showed the contribution of supplementation time to serum omega 3 (p = 0.042) and control of the number of attacks (p = 0.029). Conclusion: Supplementation with omega-3 fatty acids, eicosapentaenoic acid (EPA) and docosahexaenoic acid (DHA) reduces the number of attacks after 12 months of treatment and promotes an increase in their plasma concentrations. The supplementation used does not alter the nutritional status and the biochemical profile. This study documents the efficacy of EPA and DHA supplementation as adjunctive therapy for the management of refractory epilepsy.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-07-26
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.