• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.17.2018.tde-18072018-163515
Documento
Autor
Nome completo
Fernando Fonseca França Ribeiro
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2018
Orientador
Banca examinadora
Romano, Minna Moreira Dias (Presidente)
Almeida Filho, Oswaldo Cesar de
Schmidt, Andre
Zinni, Cibele Maria Prado
Título em português
Avaliação da deformação miocárdica do ventrí­culo esquerdo pela técnica ecocardiográfica de speckle tracking em um modelo experimental animal de doença de Chagas
Palavras-chave em português
Ecocardiografia; Rastreamento de pontos; Chagas; Hamsters; Modelo experimental
Resumo em português
Ferramentas diagnósticas capazes de detectar envolvimento cardíaco precoce na doença de Chagas são necessárias. A técnica ecocardiográfica de rastreamento de pontos, ou speckle tracking echocardiography (STE) oferece condições para o diagnóstico precoce de lesão cardíaca por avaliar a deformação miocárdica (strain). O objetivo do estudo foi avaliar as alterações sequenciais de parâmetros estruturais e funcionais dos ventrículos na evolução da doença. Um total de 37 hamsters fêmeas (Mesocricetus auratus) adultas receberam, por via intraperitoneal, 35.000 formas tripomastigotas de Trypanosoma cruzi (grupo Chagas) e outras 20 receberam igual volume de solução salina (grupo controle). Ecocardiograma foi realizado imediatamente antes da infecção (exame basal) e repetido para avaliação das fases aguda (1 mês) e crônica (4, 6 e 8 meses após). Foram avaliados: diâmetros do ventrículo esquerdo (DDFVE e DSFVE), fração de ejeção (FEVE), strain longitudinal (GLS), circunferencial (GCS) e radial (GRS) do ventrículo esquerdo e TAPSE, índice de função sistólica do ventrículo direito. A avaliação das diferenças entre os dois grupos ao longo de tempo foi realizada por meio da análise de variância (ANOVA) para modelos mistos de medidas repetidas. Ao exame basal, os dois grupos apresentaram idade média de 89 ± 1 dias. Os animais do grupo controle apresentaram peso de 130 ± 15 gramas; frequência cardíaca de 204 ± 18 batimentos/minuto, enquanto os do grupo Chagas apresentaram peso de 143 ± 12 gramas e frequência cardíaca de 198 ± 18 batimentos/minuto. Os valores de peso foram significativamente diferentes (p= 0,004) entre os grupos, mas não os de frequência cardíaca. A fração de ejeção do ventrículo esquerdo foi de 64 ± 5 % no grupo controle e de 61 ± 5 % no grupo Chagas, p= 0,10, enquanto o GLS foi de -15,2 ± 2,7 % no grupo controle e de -14,2 ± 3,4 % no grupo Chagas, p= 0,25. Na evolução da doença, o grupo Chagas apresentou aumento do DSFVE significativamente maior do que o aumento mostrado pelo grupo controle (valor-p da interação grupos#tempo= 0,007); a FEVE mostrou queda progressiva ao longo do tempo no grupo Chagas, com diferença verificada entre os grupos a partir de 6 meses do exame basal (valor-p da interação grupos#tempo= 0,005). O GLS e o GCS dos animais do grupo Chagas apresentaram comportamento significativamente diferente ao longo do tempo em comparação com o grupo controle (valor-p da interação grupos#tempo= 0,003 para o GLS e < 0,001 para oGCS). Para ambos, a diferença entre os grupos é verificada a partir do primeiro mês, quando se detecta queda pronunciada desses parâmetros de deformação. O índice TAPSE do grupo Chagas apresentou comportamento significativamente diferente ao longo do tempo em comparação ao grupo controle (valor-p da interação grupos#tempo < 0,009), com diferença observada a partir do primeiro mês. Diante disso, os resultados revelam que o GLS e o GCS são os parâmetros mais sensíveis para a avaliação funcional do ventrículo esquerdo na fase aguda e na fase crônica da doença de Chagas no modelo estudado.
Título em inglês
Assessment of left ventricular myocardial strain using speckle tracking echocardiography in an animal model of Chagas disease
Palavras-chave em inglês
Echocardiography; Speckle tracking; Chagas; Hamsters; Experimental model
Resumo em inglês
Diagnostic tools capable to detect early heart involvement in Chagas' disease are necessary. The speckle tracking echocardiography (STE) provides conditions for early diagnosis of cardiac lesion by evaluating myocardial deformation (strain). The objective of this study was to evaluate the sequential changes of structural and functional parameters of the ventricles in the evolution of the disease. A total of 37 adult female hamsters (Mesocricetus auratus) were inoculated intraperitoneally with 35,000 trypomastigote forms of Trypanosoma cruzi (Chagas group) and another 20 received equal volume of saline solution (control group). Echocardiography was performed before the infection (baseline) and repeated for assessment of acute (1 month) and chronic (4, 6 and 8 months after) phases. Left ventricular end-diastolic (LVED), left ventricular end-systolic (LVES), left ventricular ejection fraction (LVEF) and longitudinal strain (GLS) were measured at parasternal long-axis view. Circumferential strain (GCS) and radial strain (GRS) were evaluated at short-axis view (mid-LV cavity). Tricuspid annular plane systolic excursion (TAPSE) was used to assess right ventricular function. The analysis of variance (ANOVA) for mixed models of repeated measures was used to evaluate the differences between the two groups over time. At baseline, the two groups had a mean age of 89 ± 1 days. The animals in the control group had a weight of 130 ± 15 grams; heart rate of 204 ± 18 beats/minute, while those in the Chagas group had a weight of 143 ± 12 grams and a heart rate of 198 ± 18 beats/minute. The weight values were significantly different (p = 0.004) between the groups, but not those of heart rate. Left ventricular ejection fraction was 64 ± 5% in the control group and 61 ± 5% in the Chagas group (p = 0.10), while GLS was -15.2 ± 2.7% in the control group and of -14.2 ± 3.4% in the Chagas group (p = 0.25). In the evolution of the disease, the Chagas group presented a significantly higher increase in the LVES than the increase shown by the control group (p-value of the interaction groups # time = 0.007); the LVEF showed progressive decrease over time in the Chagas group, with a difference between groups after 6 months of baseline examination (p-value of interaction groups # time = 0.005). The GLS and GCS of the animals of the Chagas group showed significantly different behavior over time compared to the control group (p-value of the interaction groups # time = 0.003 for GLS and <0.001 for GCS). For both, the difference between groups is verified from the first month, when a pronounced decrease of these deformation parameters is detected. The TAPSE index of the Chagas group presented a significantly different behavior over time compared to the control group (p-value of interaction groups # time <0.009), with difference observed from the first month. Therefore, the results indicate that GLS and GCS are the most sensitive parameters for left ventricle functional assessment in acute and chronic phases of an experimental model of Chagas disease.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-09-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.