• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.17.2018.tde-25072018-101538
Documento
Autor
Nome completo
Adriane Jacinto Salustiano
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2018
Orientador
Banca examinadora
Vicente, Yvone Avalloni de Morais Villela de Andrade (Presidente)
Fernandes, Maria Inez Machado
Pileggi, Flavio de Oliveira
Tazima, Maria de Fatima Galli Sorita
Título em português
Doença do refluxo gastroesofágico: avaliação psicológica de crianças e cuidadores
Palavras-chave em português
Doença do refluxo gastroesofágico pediátrico; Fatores familiares; Fatores psicossociais
Resumo em português
A literatura apresenta aspectos psicossociais e familiares como fatores de risco associados ao adoecimento crônico infantil. Considera-se a Doença do Refluxo Gastroesofágico (DRGE), patologia crônica de grande prevalência e incidência na população pediátrica, portanto, tema relevante nas questões e estudos de saúde pública. Este estudo levantou as possíveis associações de alterações psicológicas de cuidadores e de crianças, de 3 a 12 anos, com DRGE. Os instrumentos de coleta de dados foram: Questionário Sócio demográfico, Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HAD), Escala de Qualidade da Interação Familiar (EQIF), Inventário de Estilos Parentais, Escala de Comportamento Infantil (ECI-A2 de Rutter) e uma Entrevista Semiestruturada. Foram aplicados nos cuidadores de três grupos, de crianças com sexo e idades equitativas, distribuídos da seguinte forma: Grupo 1 - Experimental: crianças com DRGE primário; Grupo 2 - Controle 1: crianças sem DRGE, porém com constipação intestinal crônica funcional, e Grupo 3 - Controle 2: crianças hígidas. Para a análise dos dados, foi adotado índice de significância p<=0,005 e foram realizadas: análises quantitativas (Teste ?2, Teste Exato de Fisher e ANOVA) e análises qualitativas (Teste ?2, Teste Exato de Fisher) dos dados obtidos. Observou-se fatores de risco psicossociais, nível de ansiedade e depressão do cuidador, qualidade de interação negativa com a criança, e tendência maior ao estilo parental autoritário e menor ao estilo parental participativo, mais frequentes no grupo de crianças com DRGE. Por outro lado, encontrou-se maior frequência de uso/abuso de álcool e/ou drogas, nos cuidadores dos grupos de crianças adoecidas crônicas em relação ao de normais. Na análise final da escala de comportamento infantil, as crianças classificadas como "com demanda de acompanhamento psicológico ou/e psiquiátrico", representaram maiores índices no grupo de crianças com DRGE, quando comparado aos outros grupos. Também observou-se diferença significativa nos perfis comportamentais, neurótico e antissocial, das crianças em cada grupo. Na entrevista, observou-se, os cuidadores com percepção limitada em relação às questões afetivas das crianças ou de si mesmos, quando comparadas às dos outros instrumentos. Notou-se, também, diferença da percepção dos cuidadores sobre a relação entre a prática de cuidados exercida por eles e os fatores associados ao adoecimento da criança, quando se comparou o grupo de crianças adoecidas com o grupo de normais. Identificou-se diferenças e peculiaridades entre os grupos de crianças adoecidas e normais, bem como especificidades do grupo de crianças com DRGE, quando comparado aos demais. Dessa forma, sugere-se estudos mais aprofundados nas especificidades encontradas, principalmente, nas crianças com DRGE, visando direcionar a prática clínica interdisciplinar de assistência à saúde desta população.
Título em inglês
Gastroesophageal reflux disease: psychological evaluation of children and caregivers
Palavras-chave em inglês
Family factors; Pediatric gastroesophageal reflux disease; Psychosocial factors
Resumo em inglês
The literature presents psychosocial and family aspects as risk factors associated with childhood chronic illness. Gastroesophageal Reflux Disease (GERD) is considered a chronic disease of great prevalence and incidence in the pediatric population, therefore, a relevant topic in public health issues and studies. This study raised the possible associations of psychological changes of caregivers and children, from 3 to 12 years old, with GERD. The instruments of data collection were: Demographic Socio Questionnaire, Hospital Anxiety and Depression Scale (HAD), Family Interaction Quality Scale (EQIF), Inventory of Parenting Styles, Infant Behavior Scale (ECI-A2 by Rutter) Semi structured interview. Group 1 - Experimental: children with primary GERD; Group 1 - Experimental: children with primary GERD; Group 2 - Control 1: children without GERD, but with functional chronic intestinal constipation, and Group 3 - Control 2: healthy children. For the data analysis, a significance level of p<=0.005 was adopted and quantitative analyzes (?2 Test, Fisher's Exact Test and ANOVA) and qualitative analyzes (?2 Test, Fisher's Exact Test) of the data were performed. Psychosocial risk factors, anxiety and depression of the caregiver, quality of negative interaction with the child, and a tendency towards authoritarian parental style and lesser participatory parental style, were more frequent in the group of children with GERD. On the other hand, there was a higher frequency of alcohol/drug use/abuse in the caregivers of the groups of children with chronic illness compared to normal ones. In the final analysis of the children's behavior scale, children classified as having "psychological and/or psychiatric follow-up demand" represented the highest rates in the group of children with GERD when compared to the other groups. There was also a significant difference in the behavioral, neurotic and antisocial profiles of children in each group. In the interview, it was observed, caregivers with limited perception regarding the affective issues of the children or of themselves, when compared to the other instruments. Differences in caregivers' perceptions about the relationship between their care practice and the factors associated with the illness of the child were also observed when comparing the group of children who were ill with the normal group. Differences and peculiarities were identified between the groups of sick and normal children, as well as specificities of the group of children with GERD, when compared to the others. Thus, we suggest more in-depth studies on the specificities found, especially in children with GERD, in order to direct the interdisciplinary clinical practice of health care in this population.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2018-08-02
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.