• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.17.2018.tde-28052018-171651
Documento
Autor
Nome completo
Natália de Almeida Gonzaga
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Ribeirão Preto, 2013
Orientador
Banca examinadora
Tirapelli, Carlos Renato (Presidente)
Rodrigues, Gerson Jhonatan
Passaglia, Rita de Cassia Aleixo Tostes
Título em português
Efeito da abstinência ao etanol sobre o sistema renina-angiotensina-aldosterona e a vasculatura
Palavras-chave em português
Abstinência ao etanol
Estresse oxidativo
Sistema renina-angiotensina-aldosterona
Resumo em português
A Abstinência ao Etanol (AE) é uma complicação de curta duração desenvolvida após a interrupção parcial ou total do consumo crônico de etanol. Alguns dos sintomas descritos incluem: aumento transitório da pressão arterial, alteração da resistência vascular periférica e alterações comportamentais; entretanto, os mecanismos envolvidos nessas respostas continuam elusivos. O objetivo desse estudo foi o de investigar os efeitos da abstinência ao etanol sobre o sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) e a função vascular. Ratos Wistar (250g) foram divididos em 3 grupos: Controle (CTR): os animais receberam água ad libitum por 23 dias; Etanol (EtOH): o tratamento crônico com etanol foi iniciado com uma solução de etanol 3% (vol./vol.), sendo gradualmente aumentada a cada três dias para 6% (4º dia) e 9% (7º dia em diante), mantendo-se esta concentração até o 21° dia; Abstinência ao Etanol (AE): os animais foram tratados da mesma maneira que o grupo EtOH até o 20º dia, neste dia a solução de etanol 9% foi retirada e retornada no dia seguinte (21º dia) por apenas 2h; após o término deste período, os animais receberam água até o dia do teste (23º dia), garantindo assim, o quadro de abstinência por 48h. Para avaliar o comportamento, os animais foram testados no Labirinto em Cruz Elevado (LCE). A pressão arterial foi medida por pletismografia de cauda. Foram avaliados os níveis plasmáticos de: a) etanol por cromatografia gasosa; b) corticosterona (CORT), angiotensina I e II (ANGI e II), vasopressina (AVP), ocitocina e peptídeo natriurético atrial (ANP) por radioimunoensaio; c) aldosterona (ALDO), renina (REN) e espécies reativas de oxigênio ao ácido tiobarbitúrico (TBARS) por ELISA; atividade plasmática da enzima conversora de angiotensina por fluorímetria; d) atividade da NAD(P)H-oxidase em aorta e leito mesentérico pelo método de quimioluminescência da lucigenina; d) de sódio (Na+ ) por fotometria de chama; e) osmolaridade foi medida pelo abaixamento do ponto de congelamento da água. Foi realizada avaliação da reatividade vascular em aorta isolada para angiotensina II (ANG II), fenilefrina, cloreto de potássio, acetilcolina e nitroprussiato de sódio (NPS). A abstinência ao etanol promoveu diminuição significativa da porcentagem de entrada e tempo despendido nos braços abertos do LCE; além disso, houve aumento da concentração plasmática de corticosterona. Em conjunto estes resultados mostram o efeito ansiogênico da abstinência ao etanol. A abstinência ao etanol também promoveu aumento da pressão arterial sistólica e média. Houve aumento do estresse oxidativo sistêmico e tecidual. Em relação ao balanço hidroeletrolítico, não foi encontrada nenhuma alteração induzida pela abstinência ao etanol. A abstinência ao etanol induziu alterações vasculares independentes de endotélio representada por diminuição da contração para ANG II, fenilefrina e KCl e aumento do relaxamento para o nitroprussiato de sódio. A partir destes resultados podemos concluir que a abstinência ao etanol induz ansiedade, estimula o SRAA, induz hipertensão e estresse oxidativo e altera a função vascular de maneira independente de endotélio.
Título em inglês
Effect of abstinence to ethanol on the renin-angiotensin-aldosterone system and the vasculature
Palavras-chave em inglês
Ethanol abstinence
Oxidative stress
Renin-angiotensin-aldosterone system
Resumo em inglês
Ethanol withdrawal is a short-term complication developed after partial or total interruption of chronic ethanol consumption. Some of the symptoms described include: transient increase in blood pressure, peripheral vascular resistance changes and behavioral changes, however, the mechanisms involved in these responses remain elusive. The aim of this study was to investigate the effects of ethanol withdrawal on the renin-angiotensin-aldosterone system (RAAS) and vascular function. With this purpose, male Wistar rats (250g) were divided into 3 groups: control (CTR): animals received water ad libitum for 23 days, ethanol (EtOH): chronic treatment with ethanol was started with an ethanol solution 3% (vol. / vol.) being gradually increased every three days to 6% (day 4) and 9% (day 7 onwards), being this concentration maintained until day 21; Ethanol abstinence (EA): animals were treated in the same way of the EtOH group until day 20. Then, ethanol solution 9% was removed and returned the next day (day 21) for 2h. After the end of this period, the animals received water until day 23, ensuring abstinence for 48 hours. Animals were tested on the Elevated Plus Maze (EPM). Blood pressure was measured by tail plethysmography. Plasma levels of: a) ethanol were determined by gas chromatography, b) corticosterone (CORT), angiotensin I and II (ANGI and II), vasopressin (AVP), oxytocin, and atrial natriuretic peptide (ANP) by radioimmunoassay; c ) aldosterone (ALDO), plasma activity of angiotensin converting enzyme by fluorimetry; renin (REN) and thiobarbituric acid reactive substances (TBARS) by ELISA; d) activity of NAD (P)H in the aorta and mesenteric arterial bed by lucigenin chemiluminescence assay; d) sodium (Na+ ) by photometry; e) osmolarity was measured by the lowering of the freezing point of water. Vascular reactivity of isolated aorta to angiotensin II (ANG II), phenylephrine, KCl, acetylcholine, and sodium nitroprusside (SNP) was evaluated. Abstinence to ethanol induced a significant reduction in the percentage of entries and time spent in the open arms of the EPM. Increased corticosterone plasma levels were also detected in animals from the EA group. Together these findings suggest that abstinence to ethanol induces an anxiogenic-like effect. Abstinence to ethanol induced an increase in plasma ANG II with no changes on ANG I, renin or aldosterone levels. The levels of ANG I and ANG II in the aorta and mesenteric arterial bed were not altered in animals from the EA group. Abstinence to ethanol also induced increase in systolic blood pressure and mean arterial blood pressure. Abstinence to ethanol increased systemic oxidative stress and the vascular generation of superoxide anion. No change in the fluid balance was detected in animals from the EA group. In endothelium-denuded, but not intact aortic rings, abstinence to ethanol decreased the contraction induced by ANG II, phenylephrine and KCl. Increased NPS-induced relaxation was also observed in rings from EA animals. We conclude that ethanol withdrawal: a) induces anxiety; b) stimulates the systemic RAAS; c) increases blood pressure; d) induces systemic and vascular oxidative stress; e) alters the vascular function in an endothelium-independent manner.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Natalia.pdf (1.38 Mbytes)
Data de Publicação
2018-07-17
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.