• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.12.2019.tde-03012019-163339
Documento
Autor
Nome completo
Deborah Maria da Silva Seabra
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2018
Orientador
Banca examinadora
Azzoni, Carlos Roberto (Presidente)
Arends-Kuenning, Mary Paula
Igliori, Danilo Camargo
Menezes, Tatiane Almeida de
Título em português
Tempo de commuting e a hipótese da responsabilidade doméstica
Palavras-chave em português
Commuting
Diferenciais de gênero
Hipótese da responsabilidade doméstica
Normas sociais
Resumo em português
Essa tese de doutorado tem como objetivo estudar o diferencial de gênero no tempo de commuting dos indivíduos e entender sua relação com a Hipótese da Responsabilidade Doméstica (HRH, em inglês). Em um primeiro momento busca-se identificar as diferenças no comportamento de viagens a trabalho de homens e mulheres e associá-las à HRH, ao passo que a segunda parte vai mais a fundo na questão da divisão de tarefas e analisa o papel das normas sociais como motor do diferencial de gênero no tempo de commuting. Lançando mão de informações provenientes da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2011 a 2015 para indivíduos casados, a primeira parte constrói uma métrica para o grau de responsabilização do cônjuge com os afazeres domésticos e investiga a sua importância na determinação do tempo de commuting. Os principais resultados indicam que gênero só se apresenta como característica relevante para explicar a duração do deslocamento ao trabalho nos cenários em que a parcela desempenhada de afazeres domésticos não é levada em consideração. Testes de robustez mostram que o efeito da HRH sobrevive mesmo quando incluídos nas regressões aspectos do mercado de trabalho que tradicionalmente são apontados como explicações para homens e mulheres apresentarem diferentes durações do commuting. Reconhecendo que a divisão de afazeres domésticos é influenciada pelos papéis de gênero que cada cônjuge assume dentro de um casamento, a segunda parte utiliza dados do Censo Brasileiro de 2010 para incluir na análise casais do mesmo sexo e entender como as normas sociais podem ser responsáveis pelas diferentes durações no trajeto casa-trabalho de homens e mulheres. Os resultados revelam que casais do mesmo sexo apresentam maior probabilidade de terem o mesmo tempo de commuting e que mulheres que se relacionam com outras mulheres conseguem ter maior mobilidade no espaço urbano, trazendo evidências de que o afrouxamento das normas sociais, materializado na não-designação tradicional de papéis sociais de gênero em um casamento, tem efeitos positivos sobre a igualdade do commuting. A pesquisa aqui desenvolvida expande a fronteira do conhecimento em várias frentes, a começar por trazer a discussão para fora do eixo dos países desenvolvidos. Mais importante ainda, discute o desenrolar da HRH no que diz respeito à capacidade de se locomover no espaço em busca de melhores oportunidades de emprego. Finalmente, a pesquisa ainda traz insights sobre a diferença entre gênero e papéis de gênero como condicionantes do comportamento de viagem dos indivíduos, permitindo que políticas públicas sejam desenhadas visando mitigar os efeitos adversos da HRH para as mulheres.
Título em inglês
Commuting time and the household responsibility hipothesis
Palavras-chave em inglês
Commuting
Gender gap.
Household responsibility hypothesis
Social norms
Resumo em inglês
This dissertation deals with the gender differential in the commuting time of individuals and aims to understand its relationship with the Household Responsibility Hypothesis (HRH). First, it seeks to identify the differences in the behavior of travel to work for men and women and to associate them with HRH. The second part explores the issue of the division of household chores and analyzes the role of social norms as the motor of the gender differential in commuting time. Using information from the National Household Sample Survey (PNAD) from 2011 to 2015 for married individuals, the first part constructs a metric for the degree of accountability of the spouse to household chores and investigates their importance in determining commuting time. The main results indicate that gender is a relevant characteristic only to explain travel time to work in the scenarios in which the portion of household chores performed is not taken into account. Moreover, robustness tests show that the HRH effect persists even when aspects of the labor market that are traditionally pointed out as explanations for men and women presenting different durations of commuting are included in the regressions. Acknowledging that household chores are influenced by the gender roles each spouse takes in a marriage, the second part uses data from the 2010 Brazilian Census to include same-sex couples in the analysis to understand how social norms can account for different commuting times for men and women. The results show that same-sex couples are more likely to have the same commuting time and that women who relate to other women are able to have greater mobility in the urban space, bringing evidence that the loosening of social norms, materialized by the non-designation of traditional gender roles in a marriage, has positive effects on commuting equality. The research developed here pushes the boundary of knowledge on several fronts, starting with exploring the issue out of the usual circuit of developed countries. More importantly, it discusses the development of HRH with regard to the ability to move around in space in search of better employment opportunities. Finally, the research brings insights into the difference between gender and gender roles as constraints on individuals' travel behavior, enabling the design of public policies to mitigate the adverse effects of HRH for women.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
OriginalDeborah.pdf (2.00 Mbytes)
Data de Publicação
2019-01-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.