• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
Documento
Autor
Nome completo
Renata Valeska do Nascimento Barbosa
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2012
Orientador
Banca examinadora
Frezatti, Fabio (Presidente)
Carrieri, Alexandre de Padua
Lavarda, Carlos Eduardo Facin
Relvas, Tânia Regina Sordi
Silveira, Rafael Alcadipani da
Título em português
Controle gerencial no relacionamento com empresas terceirizadas: um estudo de caso no setor elétrico com o uso da análise do discurso e da teoria institucional
Palavras-chave em português
Análise do discurso
Contabilidade gerencial avançada
Controladoria
Sociologia organizacional
Resumo em português
Esta tese busca investigar como o controle gerencial pode apoiar o gerenciamento do relacionamento com empresas terceirizadas. A literatura oferece pouca evidência empírica sobre o papel do controle gerencial no relacionamento entre empresas, vindo esta pesquisa a ampliar o conhecimento sobre relacionamento entre empresas por meio do uso da Teoria Institucional e da Análise do Discurso. Esta tese adota uma abordagem interpretativa e conduz uma pesquisa qualitativa baseada em um único estudo de caso em uma empresa de distribuição do setor elétrico. Buscou-se analisar não apenas se existe o controle gerencial, mas de que forma este influencia o relacionamento entre empresas. Dentre os resultados apresentados está o fato de que, embora a existência da controladoria não necessariamente contribua para apoiar o gerenciamento das empresas terceirizadas, a existência da sua estrutura, em decorrência do seu uso, trouxe impacto e gerou aperfeiçoamento ao processo, como por exemplo, o uso do Balanced Scorecard para criação de indicadores financeiros na avaliação de fornecedores. Não foram encontradas muitas das ferramentas apregoadas pela literatura como apropriadas ao gerenciamento do relacionamento entre empresas, tais como custo-alvo, open-book, contabilidade da cadeia de valor, sistemas de informação integrada e custo total da propriedade. No entanto, foram encontrados diversos mecanismos de controle informais, não financeiros e qualitativos. Isto porque a empresa pesquisada optou por estabelecer o controle nas atividades e não nas informações financeiras, como se percebe no discurso da realização de fiscalizações e auditorias para controle da qualidade. Assim, enquanto as demais formas de controle atuam constantemente no dia a dia da empresa, os controles contábeis são empregados apenas esporadicamente para determinadas avaliações. A motivação para isso é explicada pela Teoria Institucional, uma vez que este tipo de acompanhamento é capaz de promover incentivo, comunicação, controle e estabilidade nas relações, sendo mais prático, fácil e aceitável politicamente. No entanto, a tentativa de inclusão de medidas financeiras se trata de uma melhoria. Ainda como resultados desta pesquisa, foram identificados diversos discursos relacionados entre si. Alguns são contraditórios, como é o caso dos discursos da contratação com base na avaliação financeira dos fornecedores e com base no menor preço, sendo que o discurso da avaliação financeira é relativamente recente e surgiu em função de problemas e prejuízos financeiros ocorridos com fornecedores e espera-se que, no futuro, tal discurso se sobreponha ao discurso do menor preço. É interessante observar, ainda, o relacionamento entre dois outros discursos: controle e confiança. Observou-se que a confiança em terceirizados que prestam serviços há mais de duas décadas oferece resistência à implementação de um novo sistema de avaliação de fornecedores, fazendo com que a classificação e a premiação dos fornecedores não tenham trazido implicações práticas na contratação dos mesmos. Isto corrobora com a ideia de que quanto maior a confiança, menor o controle. Por outro lado, certas ferramentas de controle gerencial, como o open-book, não são implementadas, justamente porque não há confiança nas informações financeiras prestadas pelas empresas terceirizadas. Ferramentas de controle gerencial poderiam aumentar a confiança entre as partes do relacionamento. Como conclusão, pode-se dizer que os valores e crenças influenciam desde a decisão de terceirizar ou não as atividades e quais atividades terceirizar, até a forma como as empresas terceirizadas serão selecionadas, contratadas, avaliadas e acompanhadas. Todo o processo de mudanças políticas, econômicas e administrativas permeou a forma como a empresa pesquisada se relaciona com seus fornecedores e como o controle gerencial pode auxiliar o gerenciamento deste relacionamento.
Título em inglês
Management control in the relationship with third-party companies: a case study in the electric sector through the use of discourse analysis and institutional theory
Palavras-chave em inglês
Advanced management accounting
Controllership
Discourse analysis
Organizational sociology
Resumo em inglês
This thesis investigates how management controls can support the management of relationships with third-party companies. There is little empirical evidence in the accounting literature regarding the role of management controls in the relationship between companies; this research aims to expand knowledge about this relationship, through the use of Institutional Theory and discourse analysis. This thesis adopts an interpretative approach and conducts a qualitative research based on a single case study in a distribution company of the electric sector. This study examines not only which management controls are used, but also how they affect the relationship between companies. The findings show that, although the existence of the Controllership department does not necessarily contribute to supporting the management of third-party companies, the existence of its structure, impacted and improved the process. One example of this was the use of the Balanced Scorecard for creating financial indicators in evaluating suppliers. It was also found that many of the tools, which appear frequently in the literature, are appropriate to the management of business-to-business relationships. Examples are target costing, open-book accounting, value chain accounting, integrated information systems and total cost of ownership. In addition, this study found evidence of several informal, non-financial and qualitative control mechanisms. This is because the case company focused on establishing control on the activities instead of the financial information. This was observed in the discourse about quality control fiscalisation and audit checks. Thus, while other forms of control act constantly in the company's day-today; accounting controls are employed only sporadically for certain reviews. The motivation for this is explained by institutional theory, since this type of monitoring is able to promote encouragement, communication, control, and stability in relationships, being more practical, easier, and more politically acceptable. However, the attempt to include financial measures was an improvement. Moreover, this research also identified that several discourses were related to each another. In fact, some of them are contradictory, for example the discourses about hiring based on the financial assessment of suppliers, or based on the lowest price. The discourse of financial evaluation is relatively recent and has emerged in light of problems and financial losses which happened with suppliers. It is expected that, in the future, such a discourse replaces the idea of choosing according to the lowest price. It is interesting to note the relationship between two other discourses: control and trust. It was observed that the trust on contractors providing services for more than two decades creates resistance to the implementation of the new system of evaluation of suppliers. This makes the ranking and the rewards of the suppliers to have brought practical implications in hiring them. This corroborates with the idea that the greater the trust the less the control. On the contrary, certain tools of managerial control, such as the open-book, are not implemented, because there is no confidence in the financial information provided by third-party companies. Managerial control tools could enhance trust and confidence among the parties of the relationship. As a conclusion, it can be argued that the values and beliefs influence the decision to outsource activities and which activities, and also the way companies selected will be hired, evaluated and monitored. The whole process of changing political, economic and administrative influenced the way this company relates to its suppliers and the managerial control can help the management of this relationship.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2012-12-05
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2014. Todos os direitos reservados.