• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.12.2016.tde-09062016-161420
Documento
Autor
Nome completo
Maria José de Camargo Machado
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2016
Orientador
Banca examinadora
Carvalho, Luiz Nelson Guedes de (Presidente)
Gonzales, Alexandre
Braunbeck, Guillermo Oscar
Martins, Eliseu
Weffort, Elionor Farah Jreige
Título em português
Formas de mensuração X stewardship: implicações nos ativos biológicos
Palavras-chave em português
Ativo biológico
Contabilidade
Contabilidade internacional
Mensuração contábil
Modelo de negócios
Stewardship
Teoria da mensuração
Valor justo
Valor-Contabilidade
Resumo em português
A aprovação da norma contábil IAS 41- Agriculture em 2001 trouxe uma série de desafios nas práticas contábeis das empresas, sendo a principal delas o reconhecimento de ganhos/perdas durante o crescimento biológico de um ativo e a mensuração destes ganhos/perdas pelo valor justo. Toda forma de reconhecimento e mensuração apresenta relação com o modelo de negócios da empresa e irá afetar o relacionamento entre os envolvidos neste contexto e a forma como os usuários da informação contábil avaliam a gestão dos recursos investidos na entidade, que é o stewardship. Desta forma o objetivo deste trabalho foi discutir quais e como os fatores internos e externos presentes no contexto social das organizações, contribuíram para que a informação contábil a valor justo atingisse o objetivo de stewardship. Para isto foi realizado um estudo etnográfico por meio de entrevistas direcionadas aos responsáveis pela informação contábil em onze empresas de diferentes segmentos do agronegócio. O modelo de analise primeiramente se ateve ao entendimento do Modelo de Mensuração dos ativos biológicos dentro destas empresas, e como esta informação é utilizada para fins de stewardship. Em três empresas, a informação contábil referente ao ativo biológico é utilizada para fins de avaliação de performance global e do gestor e para o relacionamento com o credor, que constituem elementos para a proxy do stewardship. O processo de mudança nestas empresas, analisado conforme modelo desenvolvido por Miller (1991) se deu primeiramente pela Problematização ocorrida no contexto social destas empresas, em que seu modelo de negócios tem a madeira como produto final, bem como no modelo de gestão que visa em primeiro lugar o retorno do capital investido, mensurado pela valorização da floresta ao longo dos anos. Os atores que agem para que isto se torne numa mudança efetiva, denominados de Comunidades Epistêmicas, são os acionistas e os credores destas empresas. Os acionistas que são fundos de investimentos têm que apresentar aos seus cotistas a valorização destes investimentos, e o credor (em uma das empresas) vincula a garantia dos empréstimos ao valor da floresta. Também atua neste processo de uma forma mais distante (Ação à Distância) a cultura dos fundos de investimentos, em que a gestora florestal é responsável pela formação e venda de novas áreas florestais, bem como a legislação específica da constituição destes fundos. Nas outras empresas, além de o ativo biológico ser um insumo de produção no modelo de negócios na maioria dos casos analisados, o modelo de gestão é baseado na eficiência operacional. Desta forma, a mensuração a ser utilizada deve ser relacionada tanto ao modelo de negócios como ao modelo de gestão da empresa, que são fatores que revelam como os ativos estão sendo geridos, e isto influencia na perspectiva de geração de caixa do negócio. Apesar da obrigatoriedade que uma norma contábil impõe, a prática contábil segue suas próprias leis no âmbito social que operam as empresas, e qualquer alteração imposta passa por um extenso processo de problematização antes de esta norma ser socialmente aceita.
Título em inglês
Measurement x stewardship: implications in biological assets
Palavras-chave em inglês
Accounting measurement
Biological assets
Business model
Fair value
Stewardship
Resumo em inglês
The adoption of IAS 41- Agriculture in 2001 brought a lot of challenges to companies´ the accounting practices, and the most important is the recognition of gains / losses during the biological growth of an asset and the measurement of these gains / losses at fair value. All forms of recognition and measurement are correlated with the company's business model and will affect the relationship between those involved in this context, and how the users of accounting information assess the management of resources invested in the entity, i.e. the stewardship. Therefore, the aim of this study was to discuss what and how internal and external factors in the social context of organizations, contributed to the accounting fair value to reach stewardship´s purpose. The ethnographic study has been conducted through interviews directed to the responsible of accounting information in eleven companies from agribusiness´ different segments. The analysis model first adhered to the understanding of "Measurement Model" of biological assets within these companies, and how this information is used for stewardship purposes. In three companies the information of biological assets is used for evaluate both, the companies' performance and management´s performance, and for relationship with lender, which are elements for proxy of stewardship. The change in these companies, analyzed according to Miller (1991) starts by Problematization occurred in the social context of these companies, in which the forest is an output in its business model, as well as the purpose of management´s model is firstly the return on capital invested, measured by the appreciation of the forest over the years. The actors who work in order to transform this in an effective change, called Epistemic Communities, are the shareholders and the debtholder of these companies. Shareholders, which are Investment Funds, have to present to its investors with the appreciation of these investments, as well as the debtholder (in one of the companies) that ensure the debt with the forest value. Also in this process, working in action at distance: the culture of investment funds, in which forest management is responsible to develop and sale new forest areas as well as the specific legislation of the constitution of these funds. In other companies, besides the fact that biological assets are an input in the business model in most cases, the management model is based on the operational efficiency. Thus, the accounting measurement should be related to both the business model and the company's management model, which are factors that reveal how the assets are being managed, and influences in the perspective of business cash flow. Despite the obligation that an accounting standard imposes, the accounting practice follows its own laws in the social context of each company, and any changes imposed undergoes an extensive problematization process before this standard is socially accepted.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2016-06-14
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.