• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.11.2018.tde-22062018-173706
Documento
Autor
Nome completo
Lucas Baiochi Riboldi
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 2018
Orientador
Banca examinadora
Castro, Paulo Roberto de Camargo e (Presidente)
Abreu Junior, Cassio Hamilton
Carvalho, Rogério Falleiros
Freitas, Sérgio Tonetto de
Lavres Junior, José
Título em inglês
Physiological and morphological mechanisms regulating blossom-end rot in tomato fruits
Palavras-chave em inglês
Abscisic acid
Blossom-end rot
Brassinoesteroids
Fruit shape, Elongated fruits
Resumo em inglês
Ca2+ is a nutrient for plant development, and its deficiency causes poor cellular development in tomato fruits, resulting in a physiological disorder known as blossom-end rot (BER). Studies on this physiological disorder are not recent and mainly focused on Ca2+ deficiency in tissues and on the interaction between plant and the environment. However, new research has been based on hormonal interaction and oxidative mechanisms in fruits. Hormones such as gibberellins, abscisic acid, and brassinosteroids have been implicated in both activation and inhibition of BER symptoms. The application of abscisic acid and epibrasinolide decreased fruit susceitibility to BER. Abscisic acid reduces leaf transpiration, inhibiting xylem sap and calcium flow into the leaves and increasing into the fruit. Epibrassinolide increased fruit antioxidant responses, decreasing hydrogen peroxide and increasing ascorbic acid content, as well as increasing ascorbate peroxidase, catalase, and superoxide dismutase activities. In addition, the selection of varieties more tolerant to BER and the identification of factors that make new varieties resistant are important tools in the selection of new varieties. In this study, many varieties were evaluated in order to understand the relationship between fruit shape and growing environment on BER incidence in the fruit. According to the results, elongated fruit varieties showed higher susceptibility to BER.
Título em português
Mecanismos fisiológicos e morfológicos que regulam a podridão apical em frutos de tomate
Palavras-chave em português
Ácido Abscisico
Brassinoesteroides
Formato de frutos
Frutos alongados
Podridão apical
Resumo em português
O Ca2+ é um nutriente para o desenvolvimento de plantas, e sua deficiência causa mal desenvolvimento celular em frutos de tomate, resultando em desordem fisiológica conhecida como podridão apical ou blossom-end rot (BER). Estudos sobre esta desordem fisiológica não são recentes e são focados principalmente na deficiência de Ca2+ nos tecidos e na interação entre planta e meio ambiente. No entanto, novas pesquisas têm se baseado na interação hormonal e nos mecanismos oxidativos como reguladores desta disordem fisiológica nos frutos. Hormônios como giberelinas, ácido abscísico e brassinosteróides têm sido implicados tanto na ativação quanto na inibição dos sintomas de BER. A aplicação de ácido abscísico e epibrassinolideo diminuiu a incidência de BER, reduzindo a concentração de Ca2+ nas folhas e aumentando-as nos frutos. A aplicação de ácido abscísico provocou diminuição na transpiração, o que explica a mudança no fluxo de seiva e cálcio no xilema que conduz da folha para fruto. O epibrassinolideo, por outro lado, aumentou a resposta antioxidante, diminuindo as concentrações de peróxido de hidrogênio e aumentando as de ácido ascórbico, ascorbato peroxidase, catalase e superóxido dismutase nos frutos. A seleção de genótipos mais tolerantes ao aparecimento de BER e a identificação de fatores que os tornam resistentes, são ferramentas importantes no processo de seleção de novas variedades. Neste trabalho, foram estudados muitos genótipos para compreender a relação entre a forma do fruto e o ambiente de crescimento sobre a incidência de BER. De acordo com os resultados obtidos, genótipos alongados são mais susceptíveis a podridão apical.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Há arquivos retidos devido a solicitação (publicação de dados, patentes ou diretos autorais).
Data de Liberação
2020-07-03
Data de Publicação
2018-07-13
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
CeTI-SC/STI
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2019. Todos os direitos reservados.