• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.11.2003.tde-25092003-082811
Documento
Autor
Nome completo
Ana Maria Barretto de Menezes Sampaio de Oliveira
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 2003
Orientador
Banca examinadora
Cyrino, Jose Eurico Possebon (Presidente)
Lima, Margarida Maria Barros Ferreira
Menten, Jose Fernando Machado
Pezzato, Luiz Edivaldo
Urbinati, Elisabeth Criscuolo
Título em português
Substituição de fontes protéicas de origem animal por fontes protéicas de origem vegetal em rações para o "Black Bass" Micropterus salmoides.
Palavras-chave em português
dieta animal
digestibilidade
nutrição animal
peixes de água doce
proteínas na dieta
ração balanceada.
Resumo em português
A produção comercial de peixes carnívoros exige o uso de um conjunto complexo de práticas de manejo da produção e alimentação, à redução do impacto ambiental dos alimentos e à minimização do emprego de fontes protéicas de origem animal nas formulações das dietas. O objetivo do presente estudo foi investigar o uso de atrativos alimentares em dietas formuladas exclusivamente à base de proteína de origem vegetal (PV), e seus efeitos no desempenho, composição corporal e digestibilidade das dietas pelo carnívoro “black bass”, Micropterus salmoides, condicionados a aceitar ração seca. Novecentos juvenis (26,54 ± 1,53 g) foram estocados em 60 aquários de polietileno de 90 L (15 peixes/aquário), em delineamento experimental totalmente ao acaso (n=3), e alimentados ad libitum em duas refeições diárias (07h00m e 17h00m), durante 13 dias, com uma dieta basal (100% PV) contendo seis níveis de proteína solúvel de peixe – PSP (0,5, 1,0, 1,5, 2,0, 2,5 e 3,0%); Fisharom ® – FA (0,02, 0,04, 0,06, 0,08, 0,10 e 0,12%); silagem de peixe – SP (1,0, 2,0, 3,0, 4,0, 5,0 e 6,0%); um controle positivo (10% de farinha de peixe) e um controle negativo (dieta basal sem atrativos). Os peixes alimentados com a dieta contendo FA 0,02% apresentaram melhor taxa de crescimento, ganho de peso e conversão alimentar, mas não apresentaram diferenças dos demais tratamentos (P>0,05). Os peixes alimentados com dietas contendo SP como atrativo apresentaram os piores resultados de desempenho. Em uma segunda etapa, foi avaliado o desempenho e a composição corporal de 560 juvenis (3,06 ± 0,20 g) estocados em gaiolas de 60 L, dentro de caixas de polietileno de 1.000 L, instaladas em laboratório com um sistema fechado de recirculação de água com temperatura (27 o C ± 1,07 o C) e fotoperíodo (14L:10E) controlados, em um delineamento experimental totalmente ao acaso (n=4), e alimentados ad libitum em duas refeições diárias (07h00m e 17h00m), durante 43 dias, com 7 dietas isonitrogenadas (40% de PB) e isocalóricas (3.500 kcal/kg), contendo níveis decrescentes de proteína de origem vegetal: 100PV:00PA; 100PV + 0,02% Fisharon ® ; 80PV:20PA; 60PV:40PA; 40PV:60PA; 50PV:50PA (sem farinha de peixe); e uma dieta controle (ração comercial). A inclusão de farinha de peixe e farinha de penas foi limitada em 7%; a inclusão de farinha de vísceras e farinha de carne em 15%. DL-metionina (98%) e L-lisina (80%) foram adicionadas automaticamente através de matriz de aplicativo de formulação de ração. Em uma terceira etapa, foi avaliada a digestibilidade das rações utilizadas no experimento anterior. Para tanto, 1.960 juvenis (14,0 ± 1,0 cm) foram confinados em gaiolas de polipropileno e alimentados durante 40 dias, no período diurno, com as sete dietas do experimento anterior acrescidas de 0,5% de óxido de cromio. No período noturno as gaiolas eram transferidas para aquários cilíndrico-cônicos de 200 L, onde as fezes eram coletadas por sedimentação em recipiente refrigerado. O farelo de soja pode ser utilizado como substituto parcial de fontes protéicas e origem animal em rações formuladas para o “black bass”; a farinha de vísceras pode ser considerada uma boa opção como fonte protéica de origem animal em rações. Os melhores resultados de desempenho foram relacionados aos tratamentos controle e 50PV:50PA. A necessidade do uso da farinha de peixe na formulação de dietas para espécies carnívoras é no mínimo questionável e a determinação da digestibilidade das rações, visando maior precisão em formulações de custo mínimo para peixes carnívoros, deve ser prática corrente na indústria da alimentação de peixes.
Título em inglês
Substitution of animal protein by plant protein sources in diets for the largemouth bass Micropterus salmoides.
Palavras-chave em inglês
animal diet
animal nutrition
diet protein
digestibility
freshwater fish
prepared (designed) feed.
Resumo em inglês
Commercial farming of carnivorous fish demands the use of a complex group of practices of production and feeding management, the reduction of the environmental impact of the feeds and the minimization of the use of animal protein sources in the diets. The present study investigated the use of feed stimulants in diets formulated exclusively out of plant protein, and their effects in growth performance, body composition and digestibility of the feeds for the carnivore largemouth bass, Micropterus salmoides, conditioned to accept dry feed. Nine hundred juvenile largemouth bass (26.54 ± 1.53 g) were stocked in 60, 90-L polyethylene aquaria (15 fish/aquarium), in a totally randomized experimental design (n=3). Fish were fed ad libitum two daily meals (0700 and 1700), for 13 days, with a basal diet (100% plant protein) containing increasing levels of fish soluble protein – FSP (0.5, 1.0, 1.5, 2.0, 2.5, and 3.0%); Fisharom TM – FA (0.02, 0.04, 0.06, 0.08, 0.10 and 0.12%); fish silage – FS (1.0, 2.0, 3.0, 4.0, 5.0 and 6.0%); a positive control (10% of fish meal) and a negative control (basal diet without stimulants). Fish fed the diet containing 0.02%FA presented better growth rate, weight gain and feed conversion rate, but did not differ from the other treatments (P>0,05). Fish fed diets containing FS as stimulant presented the poorest performance. Next, the effect of different levels of dietary plant protein in the performance and body composition of the species was evaluated. Five hundred and sixty juvenile largemouth bass (3.06 ± 0.20 g) were stocked in 60-L cages, inside 1,000-L polyethylene tanks, installed at a laboratory with closed water-recirculating system and controled temperature (27 o C ± 1.07 o C) and photoperiod (14L:10D). Fish were fed ad libitum two daily meals (0700 and 1700), for 43 days, with 7 isonitrogenous (40% of PB) and isoenergetic (3,500 kcal/kg) diets, containing decreasing levels of plant protein: 100PP:00AP; 100PP + 0.02% Fisharom®; 80PP:20AP; 60PP:40AP; 40PP:60AP; 50PP:50AP (without fish meal); and a control diet (commercial feed). Inclusion of fish meal and feathers meal was limited to 7%; the inclusion of poultry by-product meal and meat and bone meal to 15%. DL methionine (98%) and L-lysine (80%) were added automatically through feed formulation software matrix. Trial was set up in a totally randomized experimental design (n=4). Finally, digestibility of the diets used in the experiment 2 was studied. One thousand, nine hundred and eighty juvenile largemouth bass (14.0 ± 1.0 cm) conditioned to accept artificial, dry feed were confined in polypropilene cages and fed, for 40 days, in day time, with the seven experimental diets added of 0.5% of cromic oxide. In the night, cages were transferred to cylindrical-conical bottomed, 200-L aquaria, where feces were collected by sedimentation into refrigerated containers. Data were submitted to the ANOVA and Tukey’s test of comparison of means through statistical software package SAS (P=0.05). Soybean meal can be used as partial substitute of animal protein in diets for largemouth bass; the poultry by-product meal shows as a good option as animal protein source in these rations. Best performances were related to the control treatments and 50PP:50AP; the need for the use of fishmeal in the formulation of diets for carnivorous species is, at least, questionable. Results of the digestibility trials demonstrated the importance of determining the digestibility of the rations, if precision in the formulation of least-cost feeds for carnivorous fish is the ultimate goal.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
ana.pdf (443.46 Kbytes)
Data de Publicação
2003-09-25
 
AVISO: O material descrito abaixo refere-se a trabalhos decorrentes desta tese ou dissertação. O conteúdo desses trabalhos é de inteira responsabilidade do autor da tese ou dissertação.
  • CYRINO, J. E. P., and Sampaio-Oliveira, A.M.B.M. Attractants in plant protein-based diets for the carnivorous largemouth bass MIcropterus salmoides. Scientia Agricola, 2004, vol. 61, nº 3, p. 326-331.
  • Sampaio-Oliveira, A.M.B.M., and CYRINO, J. E. P. Digestibility of plant protein-based diets by largemouth bass Micropterus salmoides. Aquaculture Nutrition, 2008, vol. 14, p. 318-323.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.