• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.11.2004.tde-25032004-164248
Documento
Autor
Nome completo
Flávia Maria Erbetta de Andrade
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 2003
Orientador
Banca examinadora
Silva, Sila Carneiro da (Presidente)
Pedreira, Carlos Guilherme Silveira
Rodrigues, Luis Roberto de Andrade
Título em português
Produção de forragem e valor alimentício do capim-marandu submetido a regimes de lotação contínua por bovinos de corte.
Palavras-chave em português
capim brachiaria
desempenho animal
forragem
pastejo-manejo
valor nutritivo
Resumo em português
O manejo do pastejo, caracterizado pela freqüência e intensidade de desfolhação, determina a estrutura do dossel forrageiro. Esta, por sua vez, age como condicionadora das respostas de plantas e animais. Com a finalidade de conhecer melhor as relações de causa e efeito entre a manipulação da estrutura do dossel forrageiro e a produção animal, o presente trabalho teve por objetivo avaliar o acúmulo de forragem, a composição botânica e morfológica do dossel e de amostras de forragem obtidas por meio de simulação de pastejo, bem como o valor nutritivo dessas amostras e o ganho de peso de bovinos em crescimento em pastos de Brachiaria brizantha cv Marandu submetidos a regimes de lotação contínua e taxa de lotação variável. O experimento foi realizado em área do Departamento de Zootecnia da USP/ESALQ, Piracicaba, SP, entre 01 de dezembro de 2001 e 26 de dezembro de 2002. Os tratamentos corresponderam a quatro alturas de dossel forrageiro (10, 20, 30 e 40 cm) mantidas em equilíbrio dinâmico (steady state) e alocadas às unidades experimentais segundo um delineamento de blocos completos casualizados, com quatro repetições. Durante a primavera e o verão pastos mantidos mais altos (30 e 40 cm) apresentaram taxas de acúmulo de forragem mais elevadas que pastos mantidos mais baixos (10 e 20 cm) (84,2; 88,5; 133,0 e 141,5 na primavera e 116,6; 144,3; 134,4 e 135,0 kg.ha -1 .dia -1 de MS no verão para 10, 20, 30 e 40 cm, respectivamente). Nas épocas de outono e inverno esse padrão de resposta foi invertido, com os maiores valores de taxa de acúmulo registrados para pastos mantidos mais baixos (61,1; 61,7; 44,2 e 17,5 no outono e 22,4; 10,0; -2,2 e –22,5 kg.ha -1 .dia -1 de MS no inverno para 10, 20, 30 e 40 cm, respectivamente). Não houve diferença na produção total de forragem nos 13 meses de experimento (26.360 kg.ha -1 de MS em média), porém a condição do dossel forrageiro implicou em alterações significativas na distribuição estacional da produção. As proporções de folhas (21,5%) e hastes (27,8%) na massa de forragem mantiveram-se relativamente constantes para a amplitude de alturas de dossel estudada e a proporção de material morto foi menor nos pastos de 10 cm (45,3%) em relação aos demais (49,2%, em média). Nas amostras de simulação de pastejo a proporção de folhas (78,1%) foi muito superior e a de hastes (6,0%) e material morto (9,7%) muito inferiores àquelas mensuradas na massa de forragem do dossel. A forragem proveniente dos pastos de 10 cm apresentou menores proporções de folhas senescentes (2,7%) que pastos mantidos a 20, 30 e 40 cm (3,5% em média). Em termos de composição química, as maiores concentrações de matéria mineral, proteína bruta e lignina, além da digestibilidade da matéria orgânica, foram encontradas na forragem proveniente dos pastos de 10 cm (11,7; 13,7; 3,6 e 67,1%, respectivamente) relativamente às outras condições de dossel avaliadas (11,2; 12,2; 3,0 e 63,9%, respectivamente, em média). Os teores de FDN e FDA foram menores nos pastos de 10 cm (60,8 e 28,1%, respectivamente) quando comparados com os pastos mantidos a 20, 30 e 40 cm (62,0 e 29,0%, respectivamente). Na média do período experimental, a taxa de lotação decresceu com a elevação da altura do dossel forrageiro (4,1; 3,0; 2,1 e 1,2 UA.ha -1 para 10, 20, 30 e 40 cm, respectivamente), sendo que durante as épocas de crescimento mais favoráveis (primavera e verão) foram registrados os maiores valores do experimento. Apesar do valor nutritivo ligeiramente superior da forragem proveniente dos pastos mantidos a 10 cm, o desempenho animal aumentou com o aumento em altura do dossel (0,19; 0,51; 0,75 e 0,93 kg animal -1 .dia -1 para 10, 20, 30 e 40 cm, respectivamente). O controle e a manipulação da condição (estrutura) do dossel forrageiro interferiu de forma direta sobre a produção e o valor nutritivo da forragem, embora o desempenho animal deva ter sido determinado por diferenças em consumo de forragem para as condições de dossel estudadas, uma vez que as diferenças em valor nutritivo foram pequenas.
Título em inglês
Herbage production and feeding value of marandu grass pastures submmitted to continuous stocking regimes by beef cattle.
Palavras-chave em inglês
animal performance
brachiaria grass
forage
grazing management
nutritive value
Resumo em inglês
Grazing management, characterized by the frequency and intensity of defoliation, determines sward structure. This, in turn, defines plant and animal responses. Aiming at a better understanding of the cause and effect relationships between sward structure manipulation and animal production from pastures, the present experiment had the objective of evaluating herbage production, botanical and morphological composition of sward herbage mass and herbage samples harvested simulating grazing, as well as the nutritive value of these samples and animal performance of growing beef cattle heifers on Brachiaria brizantha cv Marandu pastures submitted to continuous stocking regimes with variable stocking rate. The experiment was carried out at Departamento de Zootecnia, USP/ESALQ, Piracicaba, SP, from 01 December 2001 until 26 December 2002. Treatments corresponded to four sward steady state conditions (10, 20, 30 and 40 cm sward surface heights – SSH), assigned to experimental units according to a complete randomized block design, with four replications. During spring and summer tall swards (30 and 40 cm) presented higher herbage accumulation rates than short swards (10 and 20 cm) (84.2, 88.5, 133.0, 141.5 and 116.6, 144.3, 134.4, 135.0 kg.ha -1 .day -1 DM for the 10, 20, 30 e 40 cm swards, respectively). In autumn and winter this pattern of response changed, with higher herbage accumulation rates measured in short swards (61.1, 61.7, 44.2, 17.5 and 22.4, 10.0, -2.2, -22.5 kg.ha -1 .day -1 DM for the 10, 20, 30 e 40 cm swards, respectively). There was no difference in herbage yield at the end of the 13-month experimental period (26,360 kg.ha -1 DM on average), although sward condition did result in significant changes in seasonal distribution of dry matter production. Proportions of leaf (21.5%) and stems (27.8%) in sward herbage mass remained relatively constant within the range of SSH studied and the proportion of dead material was lower for the 10 cm swards (45.3%) in relation to others (49.2%, on average). For the grazing simulation samples the proportion of leaves was much higher (78.1%) and stems (6.0%) and dead material (9.7%) significantly lower than that registered in sward herbage mass. Herbage from the 10 cm swards presented lower proportions of senescing leaves (2.7%) than 20, 30 and 40 cm swards (3.5%, on average). Chemically, higher concentrations of ash, crude protein and lignin, as well as organic matter digestibility, were determined in herbage samples from the 10 cm swards (11.7, 13.7, 3.6 and 67.1%, respectively) in relation to the other sward conditions studied (11.2, 12.2, 3.0 and 63.9%, respectively, on average). NDF and ADF contents were lower for 10 cm swards (60.8 and 28.1%, respectively) when compared to 20, 30 and 40 cm swards (62.0 and 29.0%, respectively). Over the entire experimental period, the stocking rate decreased with increasing SSH (4.1, 3.0, 2.1 and 1.2 AU ha -1 for 10, 20, 30 and 40 cm, respectively), but the highest values were recorded during over the spring and summer periods. Despite the slightly higher nutritive value of the herbage from the 10 cm swards, animal performance increased with increasing SSH (0.19, 0.51, 0.75 and 0.93 kg animal -1 day -1 for 10, 20, 30 and 40 cm, respectively). The control and manipulation of sward state (structure) affected herbage production and nutritive value, although animal performance was very likely determined by differences in herbage intake for the sward conditions studied since differences in nutritive value were small.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
flavia.pdf (401.20 Kbytes)
Data de Publicação
2004-03-29
 
AVISO: O material descrito abaixo refere-se a trabalhos decorrentes desta tese ou dissertação. O conteúdo desses trabalhos é de inteira responsabilidade do autor da tese ou dissertação.
  • da SILVA, S. C., et al. Grazing behaviour, herbage intake and animal performance of beef cattle heifers on marandu palisade grass subjected to intensities of continuous stocking management [doi:10.1017/S0021859612000858]. Journal of Agricultural Science [online], 2013, vol. 151, p. 727-739.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.