• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.11.2007.tde-16032007-144126
Documento
Autor
Nome completo
Davi Carvalho de Souza
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Piracicaba, 2006
Orientador
Banca examinadora
Amorim, Lilian (Presidente)
Gutierrez, Anita de Souza Dias
Jacomino, Angelo Pedro
Título em português
Progresso temporal e padrão espacial de epidemias da podridão parda do pessegueiro
Palavras-chave em português
Distribuição espacial
Epidemiologia
Pêssego
Podridão (Doença de planta)
Resumo em português
A podridão parda do pessegueiro é uma das principais doenças da cultura no Estado de São Paulo e na maioria das regiões produtoras do mundo. No Brasil, seu agente causal é o fungo Monilinia fructicola (Wint) Honey, que infecta ramos, flores e frutos tanto em pré como em pós-colheita. A compreensão do comportamento epidemiológico da podridão parda do pessegueiro em condições tropicais é fundamental para o estabelecimento de estratégias de controle mais eficientes nos pomares brasileiros. Neste contexto o presente trabalho teve como objetivo caracterizar o progresso temporal e a distribuição espacial da epidemia da podridão parda do pessegueiro, em pomares comerciais sob condições naturais de infecção. O estudo foi realizado em áreas comerciais não tratadas e tratadas com fungicidas, em dois pomares no Estado de São Paulo, em 2005 e 2006. Realizaram-se amostragens quinzenais de frutos durante 3 meses após o florescimento. Foram colhidos, pelo menos, 300 frutos por amostragem, os quais foram tratados com o herbicida gramoxone para detecção da infecção latente. A análise temporal dos dados foi realizada por regressão não-linear entre a incidência da doença e o tempo, enquanto a distribuição espacial de frutos doentes foi avaliada por meio do índice de dispersão (D) e da lei de Taylor modificada, que relacionam variâncias observada e binomial. Nos dois anos e locais estudados, a podridão parda apresentou tendência de crescimento exponencial, com baixa incidência no início das amostragens e aumento expressivo no início da maturação dos frutos. O modelo exponencial apresentou melhor ajuste aos dados, nos dois anos e locais de estudo. Em 2005, a incidência da doença chegou a valores máximos no ponto de colheita, atingindo 70% em frutos de plantas tratadas e 66,4% nos de não tratadas. Nesse ano, a incidência da podridão parda em frutos de plantas sem e com fungicidas não diferiram entre si (P>0,05), tanto nos parâmetros do modelo quanto na área abaixo da curva de progresso da doença (AUDPC). Em 2006, as curvas de progresso da doença, para frutos de plantas não tratadas com fungicidas, foram semelhantes entre si e caracterizaram-se pelo rápido aumento da incidência de infecções a partir da maturação dos frutos, chegando, na última avaliação, a 59,17% em Holambra II e 74,37% em Jarinu. O controle químico foi eficiente em 2006, havendo baixa incidência de podridão parda em frutos de plantas tratadas, durante toda safra e nos dois locais. No pomar avaliado em 2005, a agregação de frutos doentes (4,7<D<6,8) foi observada a partir da metade da safra e atribuída a pilhas de frutos mumificados na proximidade do pomar. O padrão espacial aleatório predominou na safra de 2006 nos dois pomares avaliados (0,88<D<1,52). Agregação de frutos doentes foi observada apenas por ocasião da colheita, quando a doença estava distribuída em todo o pomar, indicando haver árvores com muitos frutos doentes e outras com predominância de frutos sadios. O rápido progresso e a distribuição heterogênea da epidemia mostram a importância da eliminação das fontes de inóculo para o controle da doença.
Título em inglês
Temporal progress and spacial pattern of brown rot epidemics on peach
Palavras-chave em inglês
Epidemiology
Peach
Rot (plant disease)
Saptial distribution
Resumo em inglês
The brown rot of peach is one of the main diseases in peach orchards in the State of São Paulo and in most peach producing regions in the world. In Brazil, brown rot is caused by the fungus Monilinia fructicola and it attacks stems, blossoms and fruits in the pre and post harvest periods. The understanding of the brown rot epidemiologic behavior in tropical conditions is essential to the establishment of more efficient control strategies in Brazilian orchards. In this context, the present work aimed to characterize the temporal progress and the spatial distribution of the peach brown rot in commercial orchards under natural infection conditions. The study was carried out in untreated and fungicide-sprayed commercial areas in Paranapanema and Jarinu, SP, in 2005 and 2006. Fruit samplings were performed fortnightly during 3 months after blooming. At least 300 fruits were collected in each sampling and treated with gramoxone herbicide to detect latent infection. Temporal data analysis was done by non-linear regression between disease incidence (y) and time (x). The spatial pattern of diseased fruit was assessed by the dispersion index (D) and the modified Taylor?s power law which relate observed and binomial variances. During these two years in the area studied, brown rot presented a tendency for exponential growth with low incidence in the beginning of the season and expressive increase in the beginning of fruit ripening. The exponential model presented a better fit to the data for the two year study period. In 2005, the brown rot incidence reached maximum values during the harvest: 70% in treated trees and 66,4% in untreated trees. There was no significant difference (P>0.05) in brown rot incidence in trees with or without fungicide treatment in model parameters as well as in the area under the disease progress curve (AUDPC). In 2006, the disease progress curves for treated and untreated trees were not similar. Disease progress curves for untreated trees were characterized by the rapid increase in infections incidence after the ripening of the fruit, reaching in the last evaluation, 59,17% for Holambra II and 74,37% in Jarinu. Chemical control was effective in 2006, with low brown rot incidence in treated trees throughout the harvest in both sites. In the orchard evaluated in 2005, the aggregation of diseased fruit (4,7<D<6,8) was observed in the second half of the season and attributed to piles of mummified fruit in the orchard?s vicinity. The random spacial pattern was predominant in the 2006 harvest in both orchards evaluated (0,88<D<1,52). Diseased fruit aggregations were observed only at harvest time, while the disease was spread throughout the orchard, indicating that some trees had many diseased fruits while in others the healthy fruit predominated. The quick progress and the heterogeneous distribution of the epidemics demonstrate the importance of eliminating the inoculum sources for the control of this disease.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
DaviSouza.pdf (348.72 Kbytes)
Data de Publicação
2007-03-24
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.