• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Tese de Doutorado
DOI
10.11606/T.10.2006.tde-05032007-115105
Documento
Autor
Nome completo
Francisco Rafael Martins Soto
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
São Paulo, 2006
Orientador
Banca examinadora
Vasconcellos, Silvio Arruda (Presidente)
Girio, Raul José da Silva
Ito, Fumio Honma
Langoni, Hélio
Pinheiro, Sonia Regina
Título em português
Imunidade ativa e passiva em suínos vacinados contra a leptospirose. Emprego de vacina experimental de subunidade e duas bacterinas comerciais de bactérias completas
Palavras-chave em português
imunidade ativa
imunidade passiva
leptospirose animal
suínos
vacinas
Resumo em português
Foi avaliado o desempenho de vacina de subunidade e bactéria completa antileptospirose em matrizes suínas analisando-se os níveis de anticorpos aglutinantes e neutralizantes. A intensidade e duração da imunidade passiva nos leitões, e ativa nas matrizes suínas foi investigada pela soroaglutinação microscópica (SAM) e teste de inibição de crescimento de leptospiras (ICL) em grupos de animais tratados com vacina experimental de subunidade e leptospira completa produzida com a mesma estirpe e com duas bacterinas comerciais. O experimento foi realizado em duas fases, na primeira, sendo utilizadas 33 matrizes. Os animais foram divididos em três grupos: grupo 1 (n=11):controle; grupo 2 (n=11): recebeu duas doses, em intervalo de 30 dias, de vacina anti-leptospirose constituída da subunidade de lipopolissacarídeo (LPS) de leptospira sorovar Canicola. Grupo 3 (n=11): recebeu duas doses, em intervalo de 30 dias, de uma bacterina de bactérias completas antileptospirose. Na segunda fase foram utilizadas 24 matrizes. Os animais foram divididos em três grupos: Grupo A (n=08): recebeu duas doses, em intervalo de 30 dias, de bacterina comercial anti-leptospirose A. Grupo B (n=08): recebeu duas doses, em intervalo de 30 dias, de bacterina comercial antileptospirose B e Grupo C (n=08): controle. Tanto na primeira fase como na segunda, foram realizados exames de SAM e de ICL nas matrizes e nos seus leitões, a fim de se avaliar títulos de aglutininas e de anticorpos neutralizantes obtidos respectivamente com a imunidade ativa e passiva. Os resultados das comparações dos títulos de anticorpos aglutinantes dos grupos tratados, 2 e 3, na primeira fase, apresentaram diferença aos 32 e 68 dias pós-vacinação. Não houve diferença para os anticorpos neutralizantes. No 30º dia de vida não foram detectados anticorpos aglutinantes nos leitões das matrizes vacinadas com LPS, e para anticorpos neutralizantes, os títulos médios foram de 0,832 no grupo 2 e 0,930 no grupo 3. Os títulos de anticorpos aglutinantes dos grupos A e B, na segunda fase, apresentaram diferença entre os sorovares das bacterinas comerciais, aos 60, 90 e 120 dias pós-vacinação. Aos 60 dias, houve diferença para o sorovares Copenhageni e Icterohaemorrhagiae. Em relação aos níveis de anticorpos neutralizantes das matrizes para o sorovar Hardjo, houve persistência de títulos de anticorpos neutralizantes nas sete avaliações realizadas nas duas bacterinas comerciais empregadas, e, em títulos baixos. Nos leitões foi constatada a transferência da imunidade colostral, somente com a bacterina comercial B confirmada pela presença de anticorpos aglutinantes, aos três e oito dias de vida. A vacina de LPS de bactéria completa apresentou perspectivas para emprego na prevenção da leptospirose suína. Houve diferença e baixa resposta imunológica nas bacterinas comerciais A e B anti-leptospirose, principalmente, para os sorovares Canicola, Grippotyphosa, Icterohaemorrhagiae e Pomona, Copenhageni para a bacterina comercial B. A imunidade passiva, medida por anticorpos aglutinantes conferida pelas bacterinas comerciais A e B, foi de curta duração.
Título em inglês
Active and passive immunity in swine vaccinated against leptospirosis. Use of an experimental subunit vaccine and two commercial whole culture bacterins
Palavras-chave em inglês
active immunity
animal leptospirosis
passive immunity
swine
vaccines
Resumo em inglês
It was evaluated the performance of a subunit and whole culture bacterin vaccines against leptospirosis in sows by the analysis of agglutinating and neutralizing antibodies level. The intensity and duration of passive immunity in the offspring and active immunity in sows were investigated with microscopic agglutination test (MAT) and leptospira growth inhibition (LGI) in groups of animals treated with experimental subunit vaccine and whole bacterin produced with the same serotype and with two commercial bacterin vaccines. The experiment was performed in two phases. First, 33 sows were divided into three groups of eleven animals each: group 1 was the control and group 2 received two doses with 30 days interval of anti-leptospirosis lipopolysaccharid (LPS) subunit vaccine serovar Canicola and group 3 received two doses with 30 days interval of whole leptospira bacterin. On a second phase 24 sows were divided into three groups of eight animals each: group A received two doses with 30 days interval of the commercial leptospira bacterin A. Group B received two doses with 30 days interval of a commercial leptospira bacterin B and group C was the control. Either in the first phase as in the second one, MAT and LGI were performed in the sows and its piglets in order to evaluate titers of agglutinins and neutralizing antibodies obtained with active and passive immunities respectively. The comparison of agglutinating titers of groups 2 and 3 at the first phase showed differences on days 32 and 68 post vaccination. There was no difference in relation to neutralizing antibodies. Agglutinating antibodies were not detected on thirty days old piglets, born from sows vaccinated with LPS, and for neutralizing antibodies, mean titers were 0.832 on group 2 and 0.930 on group 3. Agglutinating antibodies titers of groups A and B, on the second phase, presented differences between the commercial vaccines serovars at 60, 90 and 120 post vaccination days. At 60 days, there were differences for serovars Copenhageni and Icterohaemorrhagiae. There was persistency of low titers of neutralizing antibodies to serovar Hardjo in the sows, for the seven measurements performed with the two commercial bacterins. It was observed colostral immunity transfer to piglets with three and eight days old only for commercial vaccine B, with detectable agglutinating antibodies. LPS bacteria vaccine presented perspectives to prevent swine leptospirosis. There was difference and low immunological response for commercial vaccines A and B, especially for serovars Canicola, Grippotyphosa, Icterohaemorrhagiae and Pomona; and for serovar Copenhageni only for commercial vaccine B. The passive immunity conferred by commercial vaccines A and B and measured by agglutinating antibodies had low duration.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
Data de Publicação
2007-03-09
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.