• JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
  • JoomlaWorks Simple Image Rotator
 
  Bookmark and Share
 
 
Dissertação de Mestrado
DOI
10.11606/D.10.2003.tde-14062004-104644
Documento
Autor
Nome completo
Rogério Dantas Gama
E-mail
Unidade da USP
Área do Conhecimento
Data de Defesa
Imprenta
Pirassununga, 2003
Orientador
Banca examinadora
Moretti, Anibal de Sant' Anna (Presidente)
Carvalho, Luiz Fernando de Oliveira e Silva
Oliveira, Claudio Alvarenga de
Título em português
Emprego de diferentes doses de LH suíno na indução e sincronização da puberdade em marrãs
Palavras-chave em português
Gonadotropinas
Ovulação
Puberdade
Sincronização do cio
Suínos
Resumo em português
A pesquisa desenvolvida no Laboratório de Pesquisa em Suínos, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo, Campus de Pirassununga, estudou os efeitos de diferentes doses de LH suíno exógeno na indução e sincronização da puberdade em marrãs. Sessenta e sete fêmeas Camborough - 22 Agroceres PIC® com 140 dias de idade e 86 kg de peso vivo foram submetidas aos seguintes tratamentos: controle T1 (n = 21) - emprego de 600 UI de eCG (gonadotrofina coriônica eqüina) (Novormon®) e 72 horas depois 5,0 mg de LH (hormônio luteinizante) (Lutropin® - V); tratamento 2 T2(n = 23) - 600 UI de eCG (Novormon®) e, 72 horas depois, 2,5 mg de LH (Lutropin® - V) e tratamento 3 T3(n=23) - 600 UI de eCG (Novormon®) e, 72 horas depois, 1,25 mg de LH (Lutropin® - V). O estímulo com macho adulto era feito duas vezes ao dia, sendo a ovulação detectada pela ultra-sonografia transcutânea e a taxa de ovulação, pela contagem do número de corpos lúteos (CL) ao abate. O percentual de estro foi semelhante entre T1 (42,85%), T2 (60,87%) e T3 (52,18%), não havendo diferença estatística significativa (P=0,418). O percentual de fêmeas com degenerações císticas foi de 33,33% (T1); 39,13%(T2) e 39,13%(T3), não havendo diferença significativa entre os tratamentos (P=0,9057). O melhor intervalo tratamento - ovulação (LH - OV) ocorreu no grupo de fêmeas submetidas ao T2 (38,26 ± 2,84) demonstrado pela menor dispersão dos desvios comparando com T1 (37,17 ± 4,07) e T3 (36,25± 5,69), sendo o valor do desvio padrão diferente estatisticamente do de T3, porém igual ao valor de T1 sendo ainda o valor de T1 igual ao de T3(P<0,05). O intervalo entre a aplicação de eCG e estro do T1(85,33 ± 12,64 horas), T2 (84,40 ±17,50 horas) e T3 (89,14 ± 14,66 horas) foram semelhantes não havendo diferença estatística significativa (P= 0,6954). A duração do estro foi semelhante entre os três tratamentos (P = 0,2653), sendo de 41,44 ± 16,30 horas (T1); 48,57 ± 16,29 horas (T2); 39,33 ± 11,42 horas (T3). O número de Corpos Lúteos em T1 foi de 9,61 ± 5,43 (1-25); em T2 de 9,86 ±3,32 (1-16); em T3 de 8,13 ± 5,52 (0-20), não constatando diferença significativa (P=0,4259). Os menores desvios observados no tratamento T2 sugerem que a combinação de 600 UI de eCG seguida por 2,5 mg de LH após 72 horas, foi a mais efetiva na indução e sincronização do estro e ovulação em fêmeas suínas pré-púberes, considerando a metodologia experimental empregada. Na segunda parte do experimento, foram realizadas inseminações artificiais em tempo fixo em dois esquemas (E) diferentes: O (E1) recebeu uma única dose 36 h após a aplicação de LH e, o (E2) recebeu a primeira dose 24 h e a segunda dose 36 h após a aplicação de LH. As marrãs foram abatidas com 5 dias de gestação e os embriões foram colhidos. Não verificou-se diferença estatística entre os valores obtidos na taxa de recuperação (36,81±5,21 para E1 e 36,91±4,62 para E2), taxa de viabilidade embrionária (TVE) (59,28±6,91 para E1 e 62,25±6,26 para E2), taxa de fecundação (TF) (72,60±7,06 para E1 e 79,33±6,26 para E2) e número de estruturas totais (3,41±0,57 para E1 e 3,77±0,50 para E2) entre E1 e E2. Houve interação significativa entre tratamento e número de doses de sêmen para as variáveis TVE (T1=60,51± 8,18, T2=68,64±7,94 e T3=53,14±7,8) e TF (73,50±8,36 para T1, 89,93±8,11 para T2 e 64,46±8,05 para T3) (P=0,0036). Novos estudos envolvendo aplicação dos hormônios e n° de doses de sêmen, necessitam serem repetidos.
Título em inglês
Use of different doses of Swine LH in puberty induction and synchronization in gilts
Palavras-chave em inglês
Gonadotrophin
Ovulation
Puberty
Swine
Synchronization of estrus
Resumo em inglês
The research carried out at the Swine Research Laboratory, of FMVZ - USP, Campus of Pirassununga, studied the effects of the use of different hormonal doses on the induction and synchronization of puberty in gilts. Sixty-seven Camborough 22 Agroceres PIC® females with 140 days of age and 86kg of body weight were submitted to the following treatments: control T1 (n=21) - use of 600 IU of eCG (equine chorionic gonadotrophin) (Novormon®) and 72 hours later 5,0 mg of LH (Luteinizing hormone) (Lutropin® - V); treatment 2 T2 (n = 23) - 600 UI of eCG (Novormon®) and 72 hours later 2,5mg of LH (Lutropin® - V) and treatment 3 T3 (n = 23) - 600 UI of eCG (Novormon®) and 72 hours later 1,25mg of LH (Lutropin® - V). Adult boar stimulation was implemented twice a day, and ovulation was detected through transcutaneous ultrasonography and ovulation rate by corpora lutea (CL) counting at slaughter. The percentage of estrus was similar in T1 (42,85%), T2 (60,87%) and T3 (52,18%), and there was no significant statistic difference (P=0,418). The percentage of females with cystic degeneration was 33,33% (T1); 39,13%(T2) and 39,13%(T3), being no significant difference between the treatments (P=0,9057). The best interval between treatment and estrus (LH - OV) occurred in the group of females submitted to T2 (38,26 ± 2,84) demonstrated by lesser dispersion of the deviations comparing to T1 (37,17 ± 4,07) and T3 (36,25± 5,69); standard deviation was statistically different from T3, but similar to T1, and T1 was also similar to T3 (P<0,05). The interval between the administration of eCG and estrus in T1 (85,33 ± 12,64 hours), T2 (84,40 ±17,50 hours) and T3 (89,14 ± 14,66 hours) were similar, and there was no significant statistic difference (P= 0,6954). The duration of estrous was similar among the three treatments (P = 0,2653), being 41,44 ± 16,30 hours (T1); 48,57 ± 16,29 hours (T2); 39,33 ± 11,42 hours (T3). The number Corpus Luteum in T1 was 9,61 ± 5,43 (1-25); in T2 was 9,86 ±3,32 (1-16); in T3 was 8,13 ± 5,52 (0-20), and there was no significant difference (P=0,4259). The minor deviations observed in treatment T2 suggest that the association of 600 UI of eCG followed by 2,5 mg of LH after 72 hours, was more effective in the induction and synchronization of estrous and ovulation in pre-puberty female swine, considering the experimental methodology used. In the second part of the experiment, artificial insemination was performed at determined timing following two different programs (E). E1 received a single dose 36 hours after administration of LH and E2 received the first dose after 24 hours and the second dose 36 hours after the administration of LH. The gilts were slaughtered with 5 days of pregnancy and the embryos were collected. No statistic difference was observed among the values obtained for recovery rate (36,81±5,21 for E1 and 36,91±4,62 for E2), embryonary viability rate (TVE) (59,28±6,91 for E1 and 62,25±6,26 for E2), fecundation rate (TF) (72,60±7,06 for E1 and 79,33±6,26 for E2) and number of total structures (3,41±0,57 for E1 and 3,77±0,50 for E2) among E1 and E2. There was significant interaction between treatment and the number of doses of semen for the values TVE (T1=60,51± 8,18, T2=68,64±7,94 and T3=53,14±7,8) and TF (73,50±8,36 for T1, 89,93±8,11 for T2 and 64,46±8,05 for T3) (P=0,0036). New research involving the use of hormones and the number of doses of semen need to be repeated.
 
AVISO - A consulta a este documento fica condicionada na aceitação das seguintes condições de uso:
Este trabalho é somente para uso privado de atividades de pesquisa e ensino. Não é autorizada sua reprodução para quaisquer fins lucrativos. Esta reserva de direitos abrange a todos os dados do documento bem como seu conteúdo. Na utilização ou citação de partes do documento é obrigatório mencionar nome da pessoa autora do trabalho.
rogeriodantas.pdf (438.43 Kbytes)
Data de Publicação
2007-05-30
 
AVISO: Saiba o que são os trabalhos decorrentes clicando aqui.
Todos os direitos da tese/dissertação são de seus autores
Centro de Informática de São Carlos
Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da USP. Copyright © 2001-2018. Todos os direitos reservados.